Percepções e reflexões dos agentes da escola básica sobre os estágios na formação inicial docente

Resumo

Este artigo apresenta e analisa as contribuições de gestores, coordenadores pedagógicos e docentes de escolas de Educação Básica, que receberam estagiários dos Cursos de Licenciatura em Ciências Biológicas e Matemática do Instituto Federal Farroupilha Campus Júlio de Castilhos nos anos de 2011 a 2017, sobre as experiências das atividades realizadas nas escolas e nas salas de aula nestes momentos de estágio. Foi um evento de extensão que proporcionou um espaço de reflexão teórica e prática sobre a importância dos estágios para a formação dos futuros docentes, a atuação da escola e dos sujeitos diretamente envolvidos com os estagiários, a função de formação que as escolas desenvolvem nesta formação inicial e as contribuições que a Instituição formadora e os estagiários devem levar para as escolas. Os pontos abordados identificaram aspectos positivos que devem ser preservados, tais como a responsabilidade, dedicação e flexibilidade dos estagiários para se ajustar à rotina escolar e às orientações dos professores regentes das turmas de estágio. Também aponta como pontos fracos que precisam ser melhorados a maior iteração entre os supervisores e orientadores da Instituição e os regentes e supervisores da Escola. Além disso, trazem sugestões diversas para aprimorar a prática dos estágios na formação inicial dos futuros docentes.
PDF

Referências

AROEIRA, K. P. Estágio Supervisionado e possibilidades para uma formação com vínculos colaborativos entre a universidade e a escola. In: ALMEIDA, M. I.; PIMENTA, S. G. (Orgs.) Estágios supervisionados na formação docente. São Paulo: Cortez, 2014.

BRASIL. Ministério da Educação, Secretaria da Educação Profissional e Tecnológica. Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Matemática – campus Júlio de Castilhos. Júlio de Castilhos, 2014.

_______. Ministério da Educação, Secretaria da Educação Profissional e Tecnológica. Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas – campus Júlio de Castilhos. Júlio de Castilhos, 2014.

_______. Ministério de Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP 2, de 19 de fevereiro de 2002. Institui a duração e a carga horária dos cursos de licenciatura, de graduação plena, de formação de professores da Educação Básica em nível superior.

_______. Ministério da Educação. Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências.

IMBERNÓN, Francisco. Um futuro desejável na formação docente. Entrevista (fimebrnon@ub.edu) (2017). Revista Pátio ed.81 fev./abr. 2017. Disponível em <https://loja.grupoa.com.br/revista-patio/artigo/13053/um-futuro-desejavel-na-formacao-docente.aspx>. Acessado em 08 abr. 2018.

_________, Francisco. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. São Paulo: Cortez, 2014.

PIMENTA, S. G. Formação de professores: identidade e saberes da docência. In: PIMENTA, S. G. (Org.) Saberes pedagógicos e atividade docente. São Paulo: Cortez editora, 1999 (p. 15 a 34)

________, S. G. O estágio na formação de professores: unidade teoria e prática? 11. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. L. Estágio e docência: diferentes concepções. Revista Poíesis, Volume 3, Números 3 e 4, pp.5-24, 2005/2006

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 17. ed. Petrópolis, RJ: Vo