Bioaditivos e aditivos naturais em alimentos: Corantes, antioxidantes e aromatizantes

Resumo

Os aditivos naturais representam uma alternativa interessante a ser adotada pelas indústrias de alimentos em substituição aos compostos artificiais, sendo que existe uma tendência crescente na busca por alimentos saudáveis entre os consumidores. Dessa forma, métodos para extração de aditivos naturais e obtenção de bioaditivos estão sendo alvo de pesquisas e seu uso vem se demonstrando bastante eficiente para proporcionar cor, aroma e conservação aos alimentos de maneira natural. Esse artigo de revisão traz estudos que buscam compostos naturais com potencial aditivo para uso em alimentos, bem como aborda aspectos relacionados com a extração e a biotransformação dessas substâncias naturais, dando ênfase nos compostos com potencial para conferir aroma, cor e atividade antioxidante em alimentos. Palavras-chave: Biotecnologia. Radicais livres. Compostos naturais. 
PDF

Referências

ALVES, A. M. Caracterização física e química, compostos bioativos e capacidade antioxidante de frutas nativas do cerrado. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia de Alimentos da Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos. Universidade Federal de Goiás. Goiânia, 2013. Disponível em: <https://ppgcta.agro.ufg.br/up/71/o/DISSERTA%C3%87%C3%83O_Aline_Medeiros_Alves_2013.pdf> Acesso em 05 dez. 2018.

ALVES, C. Q. et al. Métodos para determinação de atividade antioxidante in vitro em substratos orgânicos. Química Nova, v. 33, n. 10, p. 2202-2210, 2010.

BARCELLOS, T. et al. Extração aquosa do bagaço de uva ‘Merlot’ resultante de vinificação tinta: obtenção de fibras alimentares e compostos fenólicos. ACTAS Portuguesas de Horticultura, p. 504-509, 2018. Disponível em <https://www.alice.cnptia.embrapa.br/bitstream/doc/1092284/1/clbhortp504509fraga.pdf > Acesso em: 08 dez. 2018.

BARCIA, M. T. et al. Determinação de ácido ascórbico e tocoferóis em frutas por CLAE. Semina: Ciências Agrárias, Londrina, v. 31, n. 2, p. 381-390, abr./jun. 2010. Disponível em: <https://www.redalyc.org/html/4457/445744096011/> Acesso em: 08 dez. 2018.

BOBBIO, P. A.; BOBBIO, F.A. Introdução à química de alimentos. 2.ed. São Paulo: Varela, 1992. 234 p.

BRASIL. Decreto nº 55.871, de 26 de março de 1965. Modifica o Decreto nº 50.040, de 24 de janeiro de 1961, referente a normas reguladoras do emprego de aditivos para alimentos, alterado pelo Decreto nº 691, de 13 de março de 1962. Diário Oficial da União, Brasil, 09 abril 1965.

BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução nº 44 de 1977. Considera corante a substância ou a mistura de substâncias que possuem a propriedade de conferir ou intensificar a coloração de alimento (e bebida). Brasília, DF, 1978.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Resolução RDC nº 2 de 15 de janeiro de 2007. Aprova o Regulamento Técnico sobre Aditivos Aromatizantes. Diário Oficial da União. jan. 2007.

BARATA, L. E. S; SCHIOZER, A. L. Estabilidade de Corantes e Pigmentos de Origem Vegetal. Revista Fitos, v. 3, n. 02, p. 6-24, 2007. Disponível em <https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/19149> Acesso em: 13 fev. 2019.

CALDAS, A. F. Avaliação das Propriedades Antioxidantes do Bagaço de Mirtilo com Potencial Conservante Alimentar. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Ciências do Consumo e Nutrição. Departamento de Geociências, Ambiente e Ordenamento do Território. Faculdade de Ciência Universidade do Porto. 2014. Disponível em: <https://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/77359/2/33481.pdf> Acesso em: 08 Dez. 2018.

CHIAPPINI, C. C. J. Aromas naturais produzidos por micro-organismos. Revista Eletrônica de Jornalismo Científico. 10 Set. 2007. Disponível em: <http://www.comciencia.br/comciencia/index.php?section=8&edicao=28&id=325>. Acesso em 10 fev. 2019.

CONSTANT, P.B.L., STRINGHETA, P.C, CEPPA, D.S.B. Corantes Alimentícios. Curitiba, v. 20, n. 2, p. 203-220, 2002.

DEGÁSPARI, C. H.; WASZCZYNSKYJ, N. Propriedades antioxidantes de compostos fenólicos. Visão Acadêmica, Curitiba, v. 5, n. 1, p. 33-40, 2004.

DAUGSCH, A.; PASTORE, G. Obtenção de Vanilina: Oportunidade Biotecnológica. Química Nova, Campinas, v. 28, n.4, 642-645, 2005.

FABRI, E. G.; TERAMOTO, J. R. S. Urucum: fonte de corantes naturais. Revista da Associação brasileira de horticultura, v.33, n. 1, p. 1, 2015.

FELIPE, L. O.; BICAS, J. L. O mercado de bioativos para a indústria de alimentos. Processos Químicos. Goiânia, 19, jan./jun. 2016. Disponível em: <https://www.senaigo.com.br/publicacoes-senai>. Acesso em: 6 dez. 2018.

FILHO, A. B. C. et al. Cúrcuma: planta medicinal, condimentar e de outros usos potenciais. Santa Maria: Ciência Rural, 2000.

FIESP/IBOPE. Brasil Food Trends. São Paulo, 2010. Disponível em: <http://www.brasilfoodtrends.com.br/Brasil_Food_Trends/files/publication.pdf>. Acesso em: 08 abr. 2019.

GONZÁLEZ, E. A.; GARCÍA, E. M.; NAZARENO, M. A. Free radical scavenging capacity and antioxidante activity of cochineal (Dactylopius coccus C.) extracts. Food Chemistry, v. 119, n. 1, p. 358-362, 2010.

HAMERSKI, L.; REZENDE, M. J. C.; SILVA, B. V. Usando as cores da natureza para atender aos desejos do consumidor: substâncias naturais como corantes na indústria alimentícias. Revista Virtual de Química, v. 5, n.3, p. 394-420, 2013.

LACZKOWSKI, M. S. Microencapsulação de curcumina com maltodextrina, avaliação da estabilidade e aplicação em alimentos. VIII Encontro de Produção Científica e Tecnológica. Universidade Estadual do Paraná. Campo Mourão. 2013. Disponível em <http://www.fecilcam.br/nupem/anais_viii_epct/PDF/TRABALHOS-COMPLETO/Anais-ENG/01-imlaczkowskitrabalhocompleto.pdf> Acesso em: 8 dez. 2018.

LOPES, T. J. et al. Antocianinas: uma breve revisão das características estruturais e da estabilidade. Revista Bras. Agrociência, Pelotas, n. 3, p. 291-297, jul./ set 2007.

MARCHI, J. P. et al. Curcuma Longa L., o açafrão da terra, e seus benefícios medicinais. Arq. Cienc. Saúde UNIPAR, Umuarama, v. 20, n. 3, p, 189-194, 2016.

MESQUITA, S. S.; TEIXEIRA, C. M. L. L.; SERVULO, E. F. C. Carotenoides: Propriedades, Aplicações e Mercado. Revista Virtual de Química, v. 9, n. 2, p. 672-688. Disponível em: <http://rvq.sbq.org.br/imagebank/pdf/v9n2a15.pdf>. Acesso em: 18 abr. 2019.

KI, A. et al. Otimização da produção de compostos aromáticos por Kluyveromyces marxianus em fermentação em estado sólido utilizando planejamento fatorial e metodologia de superfície de resposta. Revista de Engenharia Bioquímica. 2000. Disponível em: <https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1369703X00000656>. Acesso em: 18 dez. 2018.

LIMA, J. B. et al. Anthocyanins, pigments stability and antioxidant activity in jabuticaba [Myrciaria caulifora (Mart.) O. Berg]. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal v. 33, n.3, p 877-887, 2011.

OLEGÁRIO, L. S.; SANTOS, J. A. B. Prospecção tecnológica sobre o corante natural de urucum (Bixa orellana L.). Caderno Prospecção, Salvador, v. 7, n. 4, p. 601-611, 2014.

PEREIRA, R. J.; CARDOSO, M. G. Metabólitos secundários vegetais e benefícios antioxidantes. Journal of Biotechnology and Biodiversity. v. 3, n.4, p. 146-152, 2012.

RAMALHO, V. C.; JORGE, N. Antioxidantes utilizados em óleos, gorduras e alimentos gordurosos. Departamento de Engenharia e Tecnologia de Alimentos, São Paulo, 2005. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/%0D/qn/v29n4/30255.pdf > Acesso em: 21 dez. 2018.

RIBEIRO, L. F. Avaliação dos compostos bioativos e atividade antioxidante in vitro e in vivo em bagaços de uvas (Vitis vinífera e Vitis labrusca). Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Alimentos, Departamento de Engenharia Química, Setor de Tecnologia, Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2016. Disponível em: <https://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/44719/R%20-%20T%20-%20LEOMARA%20FLORIANO%20RIBEIRO.pdf?sequence=1&isAllowed=y> Acesso em: 05 dez. 2018

REIS, R. C. et al. Alimentos com efeitos na saúde humana, em especial na obesidade: compostos bioativos e atividade antioxidante. Revista Interdisciplinar. v. 9, n. 3, p. 36-41, 2016.

SELANI, M. M. Extrato de bagaço de uva como antioxidante natural em carne de frango processada e armazenada sob congelamento. 2010. 101f. Dissertação de Mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos. Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2010. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11141/tde-25052010-094238/en.php> Acesso em: 08 dez. 2018.

SILVA, M. L. C. et al. Compostos fenólicos, carotenoides e atividade antioxidante em produtos vegetais. Semina: Ciências Agrárias, Londrina, v. 31, n. 3, p. 669-682, jul./set. 2010.

SILVA, R. F. R. Propriedades corantes e bioativas de sumo de sabugueiro: aplicação alimentar e estabilidade cromática. Dissertação de Mestrado. Universidade de Salamanca. Bragança. Out. 2017. Disponível em: <https://bibliotecadigital.ipb.pt/bitstream/10198/14938/4/Ricardo%20Silva.pdf> Acesso em 08 dez. 2018.

SOARES, S. E. Ácidos fenólicos como antioxidantes. Revista de Nutrição, Campinas, v. 15, n. 1, p. 71-81, 2002.

TOVANI BENZAQUEN INGREDIENTES. Dias brilhantes a frente para inovação dos corantes naturais. Revista Food Ingredients Brasil, nº 39 (Dossiê Corantes), 40-43p, 2016. Disponível em: <http://revista-fi.com.br/upload_arquivos/201612/2016120320277001480616337.pdf>. Acesso em: 11 jan. 2019.

VELOSO, L. A. Dossiê técnico: corantes e pigmentos. Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas, 2012. Disponível em:< http://www.respostatecnica.org.br/dossie-tecnico/downloadsDT/NTcwOA==> Acesso em: 06 dez. 2018.

VOLP, A. C. P.; RENHE, I. R. T.; STRINGUETA, P. C. Pigmentos Naturais Bioativos. Revista Alimentos e Nutrição, Araraquara, v. 20, n.1, p. 157-166, 2009.