Resgate da cultura da batata-doce como uma alternativa de produção sustentável e de desenvolvimento regional

Resumo

A fome causada pela falta de calorias e nutrientes têm sido uma preocupação constante dos pesquisadores, principalmente em comunidades mais carentes. A produção de espécies rusticas e de fácil cultivo tem sido uma abordagem adotada por pesquisadores na introdução de alimentos mais nutritivos. Com o objetivo de promover o cultivo de uma matéria-prima cuja produção seja sustentável, possua elevado valor nutricional, baixo custo de produção e com possibilidade de agregar valor a produtos agroindustriais, vem sendo desenvolvido desde 2015 o projeto “Resgate da cultura da batata-doce como uma alternativa de produção sustentável e de desenvolvimento regional”, que inclui diferentes ações de ensino, extensão e pesquisa, realizadas pelo Instituto Federal Farroupilha (IFFar), em conjunto com a ASCAR-Emater/RS, Embrapa, prefeituras e ONGs (Organizações não governamentais). Nesse contexto a batata-doce biofortificada, por ser produtiva e possuir altos teores de β-caroteno (pro-vitamina A), tem se demonstrado uma alternativa  promissora do ponto de vista econômico, sustentável e nutricional.
PDF

Referências

ALLEN, L. H. Biological mechanisms that might underlie iron’s effects on fetal growth and preterm birth. The Journal of Nutrition, 2001, v. 131, p. 581-589.

AZEVEDO, A. M. et al. Desempenho agronômico e parâmetros genéticos em genótipos de batata-doce. Horticultura Brasileira, 2015, v. 33, p. 84-90.

BIOFORT. (2019). On line. Disponível em: <http://biofort.com.br/>. Acesso em: 27 fev. 2019.

BOVELL-BENJAMIN, A. C. Sweet Potato: A Reviewof its past, present, and future role in human nutricion. Review Article: Advances in food and Nutriotion Research, 2007, v. 52, p. 1-59.

BURRI, B.J. Evaluating Sweet Potato as an Intervention Food to Prevent Vitamin A Deficiency. Comprehensive Reviews in Food Science and Food Safety, 2011, v. 10, p. 118-130.

CANEPELLE, et. al. Produtividade de cultivares de batata-doce em condições naturais de clima, solo e controle de pragas e doenças. Salão do Conhecimento. UNIJUI, Ijuí, 2017 Disponível em https://publicacoeseventos.unijui.edu.br/index.php/salaoconhecimento/article/view/7887/6623.

CORREIA, L. F. M. et al. Efeitos do processamento industrial de alimentos sobre a estabilidade de vitaminas. Alimentos e Nutrição, 2008, v.19, p. 83-95.

EMBRAPA. Batata biofortificada apresenta bons resultados no Sul do País. Brasília, DF: Embrapa Hortaliças. Site Institucional, 11 set. 2013. On line. Disponível em: <https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/-/noticia/1499507/batata-doce-biofortificada-apresenta-bons-resultados-no-sul-do-pais>. Acesso em: 18 de fev. 2019.

FAO, FIDA, UNICEF, PMA y OMS. El estado de la seguridad alimentaria y la nutrición en el mundo. Fomentando la resiliencia climática en aras de la seguridad alimentaria y la nutrición. FAO, Roma, 2018.

FRANCA, F. H., RITSCHEL, P. S. Avaliação de acessos de batata-doce para resistência à broca-da-raiz, crisomelídeos e elaterídeos. Hortic. Bras., Brasília, 2002, v. 20, n. 1, p. 79-85, Mar. 2002. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010205362002000100015&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 24 Jul. 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-05362002000100015.

HARVESTPLUS. (2019). On line. Disponível em: <http://biofort.com.br/>. Acesso em: 27 fev. 2019.

INFANTE, R.A. et al. Enriched sorghum cookies with biofortified sweet potato carotenoids have good acceptance and high iron bioavailability. Journal of Functional Foods, 2017, v. 38, Part A, p. 89-99.

LA FRANO, M.R. et al. Bioavailability of iron, zinc, and provitamin A carotenoids in biofortified staple crops. Nutrition Reviews, 2014, v. 72, p. 289–307.

LAURIE, S.M. et al. Incorporating orange-fleshed sweet potato into the food system as a strategy for improved nutrition: The context of South Africa. Food Research International, 2018, v. 104, p. 77-85.

O CELEIRO. IFFar – Campus Santo Augusto promove tarde de campo sobre batata-doce biofortificada. Jornal O Celeiro. 1 de junho de 2018. p. 7.

PEREIRA, A. P. A. et al. Orange-fleshed sweet potato flour as a precursor of aroma and color of sourdough panettones. LWT- Food Science and Technology, 2019, v. 101, p. 145-151.

PLETSCH, L. B. H. et al. Elaboração de balas de batata-doce biofortificada. In: XXV Congresso Brasileiro de Ciência e Tecnologia de Alimentos, 2016, Gramado, RS: Anais. SBCTA Regional, 2016. p. 1-6. Disponível em: <http://www.ufrgs.br/sbctars-eventos/xxvcbcta/anais/files/674.pdf. Acesso em: 25 jul. 2018.

SALTZMAN, A. et al. Biofortification Techniques to Improve Food Security. Reference Module in Food Science, 2016, v. 1, p. 1-9.

SALTZMAN, A. et al. Biofortification: Progress toward a more nourishing future. Global Food Security, 2013, v. 2, n. 1, p. 9-17.

SELVAKUMARAN, L. et al. Orange sweet potato (Ipomoea batatas) puree improved physicochemical properties and sensory acceptance of brownies, Journal of the Saudi Society of Agricultural Sciences, article in press, 2017.

SEVERO, J. et al. Elaboration of products usin biofortified sweet potato cv. Beauregard. In: XXVI CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS, 2018, Anais. Belém – PA: SBCTA, 2018, p. 1-8.

SUÁREZ, M.H. et al. Application of multidimensional scaling technique to differentiate sweet potato (Ipomoea batatas (L.) Lam) cultivars according to their chemical composition. Journal of Food Composition and Analysis, 2016, 46, p. 43-49.

VIZZOTTO, M. et al. Composição mineral em genótipos de batata-doce de polpas coloridas e adequação de consumo para grupos de risco. Brazilian Journal of Food Technology, 2018, v. 21, p. 1-8.

VIZZOTTO, M. et al. Physicochemical and antioxidant capacity analysis of colored sweet potato genotypes: in natura and thermally processed. Ciência Rural, 2017, v. 47, n. 4, p. 1-8.

VON GREBMER, K. et al. Global Hunger Index: The Challenge of Hidden Hunger. Bonn, Washington, D.C., and Dublin: Welthungerhilfe, International Food Policy Research Institute, and Concern Worldwide. 2014, v. 1, p. 56.