Prebióticos e probióticos e os estudos de nutrigenética e nutrigenômica

Resumo

O alimento é fundamental para desempenho de atividades cognitivas, fisiológicas, intelectuais e sociais, influenciando diretamente na qualidade de vida e promoção de saúde dos indivíduos. Nesse contexto, os consumidores estão buscando dietas mais equilibradas e saudáveis, optando por alimentos que apresentem características funcionais, ou seja, que além das suas funções convencionais propiciem efeitos metabólicos e fisiológicos benéficos, neste grupo estão inseridos os prebióticos e probióticos. Com os avanços tecnológicos, após o sequenciamento do genoma humano, ficou evidente que compostos presentes na dieta, interagindo com outros fatores ambientais podem modificar o fenótipo resultante. Com isso surgem a nutrigenômica e a nutrigenética, que se baseiam no estudo das iterações gene-nutriente, buscando compreender e caracterizar estas interações e os mecanismos pelos quais ocorrem essas modificações. Estas áreas da ciência têm tentado explicar o motivo da variação interindividual na resposta e interações dietéticas ou dos hábitos alimentares, compreendendo-as será possível modificar e aperfeiçoar as diretrizes dietéticas, que podem afetar o balanço entre a saúde e doença pela alteração da expressão e/ou da estrutura do mapa genético de cada indivíduo, bem como, entender como a composição genética de um indivíduo coordena sua resposta à alimentação. Diante do exposto, a presente pesquisa tem como tema principal relacionar estudos de nutrigenética e nutrigenômica com os prebióticos e probióticos, objetivando definir conceitos, bem como, sua importância na promoção de saúde e melhoria de vida.Palavras-Chave: Microbiota intestinal. Alimentos funcionais. Saúde. Genética. Doenças multifatoriais.
PDF

Referências

AGOSTONI, C. et al. Probiotic bacteria in dietetic products for infants: a commentary by the ESPGHAN Committee on Nutrition. J Pediatr Gastroenterol Nutr, p.38:365-74, abr. 2004.

BEDANI, R.; ROSSI, E.A. Microbiota intestinal e probióticos: implicações sobre o câncer de cólon. J Port Gastrenterol, v.16, n.1, jan./fev.2009.

CAPRILES, V.D; ARÊAS,J.A.G. Frutanos do tipo inulina e aumento da absorção de cálcio: uma revisão sistemática. Revista Nutrição, Campinas, p. 147 -159, jan./fev.2012.

CHARTERISIS, W. P. et al. Ingredient selection criteria for probiotic microorganisms in functional dairy foods. Int J Dairy Technol, p.51:123-36, nov.1998.

FUJII, T. M. M.; MEDEIROS, R.; YAMADA, R. Nutrigenômica e nutrigenética: importantes conceitos para a ciência da nutrição. Nutrire: rev. Soc. Bras. Alim. Nutr. J. Brazilian Soc. Food Nutr., v. 35, n. 1, p. 149-166, abr. 2010.

GALLINA, D. A. er al. Caracterização de Leites Fermentados Com e Sem Adição de Probióticos e Prebióticos e Avaliação da Viabilidade de Bactérias Láticas e Probióticas Durante a Vida-de-Prateleira. UNOPAR Cient Ciênc Biol Saúde,13(4):239-44, jul. 2011.

GIBSON, G. R.; ROBERFROID, M. B. Dietary modulation of human colonic microbiota: introducing the concept of the prebiotics. The Journal of Nutrition, p.125:1401-12, ago.1994.

GROLLEAU-JULIUS, A.; RAY, D.; YUNG, R. L. The role of eigenetics in aging and autoimmunity. Clin. Ver. Allergy Immunol, p.42-50, ago. 2010.

HATMAL, M. M., NUIRAT, A.; ZIHLIF, M.A.; TAHA, M. O. Exploring the influence of culture conditions on kefir’s anticancer properties. Journal of Dairy Science. IF 2.749, Mar.2018.

HIRSCH, J. B.; EVANS, D. Beyond the impact of food on genes. Food Technol, p. 24-33, 2005.

HOLZAPFEL, W. H.; SCHILLINGER, U. Introduction to pre and probiotics. Food Res Int, p.35:109-16, 2002.

KAPUT, J.; RODRIGUEZ, R. L. Nutritional genomics: the next frontier in the postgenomicera. Physiological Genomics, v. 16, n. 2, p. 166-177, Jan. 2004.

KARKOW, F. J. A.; FAINTUCH, J.; KARKOW, A. G. M. Probióticos: perspectives médicas. Rev AMRIGS, p.51:38-48, jan/mar. 2007.

KUSSMANN, M.; RAYMOND, F.; AFFOLTER, M. OMICS-driving biomarker Discovery in nutrition and health. J. Biotechnol, p.124 (4): 758-87, abr. 2006.

LEONG, N. M. et al. Early life risk factors in cancer: The relation of birth weight

to adult obesity. Int. J. Cancer, v. 103, n. 6, p. 789-791, dez. 2002.

LIEBLE, D. C. Introduction to Proteomics. Toos fot the new biology. Totowa.

Humana Press, Totowa, N.J. 2002.

MALIN, M. et al. Dietary therapy with Lactobacillus GG, bovine colostrum or

bovine immune colostrum in patients with juvenile chronic arthritis: evaluation of

effect on gut defence mechanisms. Inflammopharmacology, V.5: 219-236, 1997.

Marsh , A. J.; Hill, C.; Ross , R. P.; Cotter , P. D., Fermented beverages with

health-promoting potential: Past and future perspectives. Trends in Food Science & Technology, v. 38, p. 113-124, Jul. 2014.

MESSIAS, B. A. et al. Transplante de microbiota fecal no tratamento da infecção por Clostridium difficile: estado da arte e revisão de literatura. Rev. Col. Bras. Cir., 45(2): e 1609, jan. 2018.

MILNER, J. A. Nutrition and Gene Regulation: Molecular Targets for Bioactive

Food Components. The Journal of Nutrition, 134(9):2492S-2498S, set. 2004.

MOURA, MRL. Alimentos Funcionais: seus benefícios e a legislação. 2001. Disponível em: <http://acd.ufrj. br/consumo/leituras/ld.htm#leiturasKwak N, Jukes

DJ. Functional foods. Part 1: the development of a regulatory concept. Food Control> Acesso em: 28/11/2018.

MÜLLER, M.; KERSTEN, S. Nutrigenomics: goals and strategies. Nat Ver Genet. v. 4, p. 315-322, abr. 2003.

MUTCH, D.M; WAHLI, W; WILLIAMSON, G. Nutrigenomics and nutrigenetics:

the emerging faces of nutrition. FASEB Journal, p. 19: 1602–1616, out. 2005.

NETO, M. P. C. et al. Gut microbiota and probiotics intervention: A potential therapeutic target for management of cardiometabolic disorders and chronic kidney disease? Pharmacological Research. 130 (2018) 152–163. FEV. 2018.

ORDOVAS, J,M. Simposium on “New sights into variability in lipid requirement”

The quest for cardiovascular health in the genomic era: nutrigenetics and plasma lipoproteins. Proccedings of Nutrition Society, p.63: 145-152, 2004.

ORDOVAS, J.M; CORELLA, D. Nutritional genomics. Annual Review in Genomic Human Genetics, p. 5: 71-118, 2004.

ORDOVAS, J. M; MOOSER, V. Nutrigenomics and nutrigenetics. Current Opinion Lipidology, Texas, v. 15, p.101-108, 2004.

PEREIRA, K. D. Amido resistente, a última geração no controle de energia e digestão saudável. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, p. 88-92, ago. 2007.

PERIS, G. P. et al. Metabolismo colônico de la fibra. Nutr Hosp, p.17:11-6, 2002.

PINEIRO, M.; STANTON, C. Probiotic bacteria: legislative framework – requirements to evidence basis. The Journal of Nutrition, p.137:850S-3S, mar. 2007.

PISABARRO, R. Nutrigenética y nutrigenómica: la revolución sanitaria del nuevo

milenio. Implicancias clínicas en síndrome metabólico y diabetes tipo 2. Revista Medica del Uruguay, v. 22, p. 100-107, mai. 2006.

ROBERFROID, M.B. Prebiotics and probiotics: are they functional foods. Am. J. Clin. Nutr., v.71, n.6, p.1682-1687, jun. 2000.

ROBERFROID, M. B. Functional food concept and its application to prebiotics. Dig Liver Dis, p.105-s10, set. 2002.

ROBERFROID, M. B. Prebiotics: the concept revisited. The Journal of Nutrition, p. 7;137:830S-7S, mar.2007.

SAAD, S. M. I. Probióticos e prebióticos: o estado da arte. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas. v. 42, n. 1, p. 1-16, jan/mar. 2006.

SANDERS, M. E. Probiotics: considerations for human health. Nutr Rev., 61: 91-9, mar. 2003.

SANTOS, M.J. Kombucha: caracterização da microbiota e desenvolvimento de

novos produtos alimentares para uso em restauração. Dissertação (Mestrado em Ciências Gastronómicas). Lisboa, mar. 2016.

SCHUCH, J.B. et al. Nutrigenética: a interação entre hábitos alimentares e o perfil genético individual. Revista Brasileira de Biociências, v. 8, n. 1, p. 73-84, jan./mar. 2010.

SOUZA, F. S. et al. Prebióticos, probióticos e simbióticos na prevenção e tratamento das doenças alérgicas. Rev Paul Pediatr., p.28(1):86-97, mar. 2010.

SOUZA, P. H. M.; SOUZA NETO, M. H.; MAIA, G. A. Componentes funcionais nos alimentos. Boletim da SBCTA. v. 37, n. 2, p. 127-135, 2003.

VALENTE, M. A. S. et al. Nutrigenômica/nutrigenética na elucidação das doenças crônicas. HU Revista, Juiz de Fora, v. 40, n. 3 e 4, p. 239-248, jul./dez. 2014.

VAN OMMEN, B. Nutrigenomics: exploiting systems biology in the nutrition and

health arenas. Nutrition, p. 20: 4–8, out. 2004.

YUN, J. W. Fructooligosaccharides – Occurrence, preparation and applications.

Enzyme Microb Technol, p.19:107-17, jun. 1996.