A barreira da inovação na indústria odontológica
PDF

Palavras-chave

Regulamentação
Inovação de Produto
Patente
Pesquisa e Desenvolvimento
Odontologia.

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar a relação entre a pesquisa, o desenvolvimento e a geração de patentes de proteção da propriedade intelectual para inovação na odontologia, notadamente ante a importância de se compreender a função de agências reguladoras na segurança dos produtos desenvolvidos que, posteriormente, serão levados ao mercado. Para tanto, foi realizada uma pesquisa exploratória, com abordagem qualitativa. Para fins da sua instrumentalização, foi efetuada uma pesquisa bibliográfica nas bases de dados científicas. Os resultados revelam que apesar de o setor de fabricação de equipamentos odontológicos possuir intensivo desenvolvimento tecnológico e inovador, a legislação pertinente à proteção das inovações industriais possui entraves para ser implementada em razão do ritmo de andamento do processo ser mais lento do que o ciclo de vida e a obsolescência técnica da própria inovação, sendo necessária sua regulamentação, a fim de que haja a devida segurança quando da comercialização dos produtos. Como os ciclos tecnológicos são cada vez mais curtos e os investimentos cada vez mais altos diante da necessidade do mercado, as empresas sofrem com o gasto de recursos para desenvolver a inovação do início ao fim, que necessitam aguardar o trâmite regular de um processo patentário, com a observação das devidas normas técnicas, assim como a liberação do órgão regulador de produtos para a saúde, a fim de manter a segurança dos produtos comercializados. Verifica-se, então, que os problemas de burocracia e morosidade para implantar a inovação desaceleram o fluxo inovador da indústria, de modo que a regulamentação para o setor poderia incentivar a inovação, dando continuidade ao processo de desenvolvimento de capacidades tecnológicas e administrativas nas empresas dinâmicas, observando o devido dever de segurança.
https://doi.org/10.26669/2448-4091198
PDF

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE ARTIGOS E EQUIPAMENTOS MÉDICOS E ODONTOLÓGICOS. Análise da Estrutura Setorial de Artigos e Equipamentos Médicos, Odontológicos, Hospitalares e de Laboratórios no Brasil. São Paulo: Abimo, 2015. 48 p. Disponível em: <http://superaparque.com.br/upload/20160613-030628-relatorio_datasus_2016.pdf>. Acesso em: 09 nov. 2018.

AMIT, R.; SCHOEMAKER, P. J. H. Strategic assets and organizational rent. Strategic Management Journal, v. 14, n.1, p. 33-46, 1993.

ANGELMAR, R. Product innovation: a tool for competitive advantage. European Journal of Operational Research, v. 47, n. 2, p. 182-189, 1990.

CENTRO DE GESTÃO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS. Estudo Prospectivo Setorial Equipamentos Médicos, Hospitalares e Odontológicos: text mining em patentes. Relatório Intermediário – Panorama Setorial. Brasília, 2006.

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO. Análise setorial de mercado: setor de equipamentos médicos, hospitalares e odontológicos. São Paulo: FIESP., 2009.

KUPFER, D.; HASENCLEVER, L. Economia industrial: fundamentos teóricos e práticas no Brasil. Rio de Janeiro: Campus, 2013.

LUCCHESE, G. Globalização e regulação sanitária: os rumos da Vigilância Sanitária no Brasil. 2001. 356 f. Tese (Doutorado) - Curso de Saúde Pública, Fiocruz, Rio de Janeiro, 2001.

MAZZUCATO, M. O estado empreendedor: desmascarando o mito do setor público vs. setor privado. São Paulo: Portfolio-Penguin, 2014.

MCGRATH, R.; TSAI, M.; VENKATARAMAN, S. Innovation, Competitive Advantage and Rent: A Model and Test. Management Science, [s.l.], v. 42, n. 3, p. 389-403, mar. 1996. Institute for Operations Research and the Management Sciences (INFORMS). DOI: http://dx.doi.org/10.1287/mnsc.42.3.389.

MONTEIRO, M. O prontuário odontológico como categoria jurídica da propriedade intelectual e o cumprimento da função social previsto na Constituição Federal do Brasil. 2015. 82 f. Tese (Doutorado) - Curso de Ciências Odontológicas Aplicadas, Universidade de São Paulo, Bauru, 2015.

ORGANIZAÇÃO PARA COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO (OCDE). Manual de Oslo: Diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. Brasília: 2005.

PIERONI, J. P.; REIS, C.; SOUZA, J. O. B. A indústria de equipamentos e materiais médicos, hospitalares e odontológicos: uma proposta de atuação do BNDES. BNDES Setorial, n. 31, p. 185-226, mar. 2010.

RAMALHO, P. Transparência e participação social no processo regulatório da Anvisa: Fortalecimento dos consumidores na regulação sanitária. In: PROENÇA, Jadir Dias. Melhoria da regulação no brasil: o papel da participação e do controle social. Brasília: Presidência da República, 2011. Cap. 4. p. 147-172.

REKOW, E. D. et al. What Constitutes an Ideal Dental Restorative Material? Advances In Dental Research, [s.l.], v. 25, n. 1, p.18-23, out. 2013. SAGE Publications. http://dx.doi.org/10.1177/0022034513502206.

SCHUMPETER, J. A. Capitalismo, Socialismo e Democracia. Rio de Janeiro: Editora Fundo de Cultura, 1961.

TAVEIRA, R. A. V.; NAVES, J. O. S. Alinhamento entre a regulação sanitária e as políticas públicas de medicamentos no Brasil. Vigilância Sanitária em Debate: Sociedade, Ciência & Tecnologia, [s.l.], v. 3, n. 1, p. 19-29, fev. 2015. Disponível em: <https://visaemdebate.incqs.fiocruz.br/index.php/visaemdebate/article/view/233/197>. Acesso em: 01 mar. 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.3395/2317-269x.00233.

TELLES, L. O. Clusters e a indústria ligada à área de saúde em Ribeirão Preto. 2002. 101f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Economia, Economia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.

TROTT, P. Gestão da inovação e desenvolvimento de novos produtos. 4.ed. Porto Alegre: Bookman, 2012. 621p.

WATSON, T.; FOX, C. H.; REKOW, E. D. Priorities for Future Innovation, Research, and Advocacy in Dental Restorative Materials. Advances In Dental Research, [s.l.], v. 25, n. 1, p.46-48, 15 out. 2013. SAGE Publications. http://dx.doi.org/10.1177/0022034513504437.

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2019 Revista de Ciência e Inovação